Sexualidade

Sexualidade

Segundo a OMS – Organização Mundial de Saúde,” Sexualidade é uma energia que nos motiva para encontrar amor, contato, ternura e intimidade; ela integra-se no modo como sentimos, movemos, tocamos e somos tocados, é ser-se sensual e ao mesmo tempo ser-se sexual.

A sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, ações e interações e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental”

O bem-estar na vida sexual das pessoas é um aspecto importante da experiência humana, muito além do sexo como função natural biológica, questões humanas mais abrangentes como o amor, a confiança no outro e partilhar a intimidade são fatores indispensáveis para a plenitude do relacionamento sexual saudável. Sexo com prazer é bom, mas não é tudo! A sexualidade está relacionada com a qualidade de vida das pessoas, e ter uma vivência sexual saudável é fundamental.

Muitas vezes, as raízes dos problemas da sexualidade nem sempre estão nas camadas mais profundas – a ansiedade de desempenho, a comunicação deficiente com o parceiro, ignorância adicionado às atitudes fortemente emocionais em relação ao erotismo, problemas ocasionais ou a rotina do casal fazem com que mitos e as falsas crenças prevaleçam.

Tratar o assunto evitando a disseminação de crenças errôneas, a desinformação e a discriminação são formas de lidarmos com os “tabus” de nossa cultura. Geralmente as crenças erradas levam-nos inconscientemente a acreditar que o prazer e o sucesso sexual são perigosos e destrutivos, gerando um conflito permanente de culpa e ansiedade. Aqui vale lembrar as religiões como fortes influenciadoras, onde o pecado, fator psíquico que nada tem a ver com o biológico, é colocado como fruto maligno da vida.

É Importante dizer que não existe o termo “normal” quando falamos de sexo:

• Quantas vezes por dia;

• Quantas vezes por semana ou por mês;

• Quanto tempo dura uma ereção;

• Com camisinha não sinto a mesma coisa;

• Existe mesmo o ponto G, etc.

Ser “normal” para um casal pode não ser para outro. Não se mede um relacionamento com números ou estatística. Normal é a satisfação do casal alcançando a plenitude da sensação de prazer, sem cobranças de performance mirabolantes e irreais. A sexualidade plena só é compreendia quando o sexo é natural. É a oportunidade de cada indivíduo tomar contato com seus instintos, seu íntimo, sua essência, suas fantasias e sensações.

Sexo é vida! Sexo é uma necessidade biológica! Sexo é instintivo!

Resolver ou pelo menos contornar os sentimentos de culpa e ansiedade em relação ao prazer e ao êxito, e, humanizar o relacionamento sexual, são objetivos básicos da Terapia Sexual.

Geralmente no Consultório de Psicologia, a procura pela Terapia Sexual acontece depois da ida (do cliente) ao Urologista ou Ginecologista, descartando assim qualquer problema físico. O cliente só procura por auxílio quando toma conhecimento que algo não vai bem.

A sexualidade envolve muito mais que as características dos sistemas genitais masculino e feminino e os mecanismos de reprodução, a sexualidade está ligada às estruturas sociais e culturais da humanidade; o contexto ambiental influência diretamente na sexualidade de cada um. O sexo, o desejo e a atração sexual, não existem apenas para garantir a reprodução da espécie.

Na atualidade, embora temos mais liberdade para falar de sexo, temas como sexualidade feminina e diversidade sexual ainda são polêmicos e causam constrangimentos. Assunto tão instigante, “o sexo abrange muitos outros sentimentos, além do prazer: ansiedade, insegurança, baixa autoestima, culpa, vergonha, comparação, entre outros.” (BENTO, 2007)

Manter-se numa relação de compreensão e aceitação de sua própria sexualidade, com capacidade de sentir-se à vontade com seus desejos e sensações, independente de qual seja sua opinião do assunto, lhe trará um imenso amadurecimento gerando sensação de conforto e evitando conflitos internos como dúvidas e medos.

Ver perfil

Matéria Por

LUCY DE FREITAS COLTURATO

Psicólogo

CRP. 06/161416 | São José do Rio Preto

Deixar Comentário