Mapeamento Corporal e Dermatoscopia Digital: um exame que auxilia na detecção precoce do melanoma

Mapeamento Corporal e Dermatoscopia Digital: um exame que auxilia na detecção precoce do melanoma

O melanoma é o câncer de pele mais letal, sendo responsável por 90% das mortes entre todos os tumores de pele. Segundo o INCA – Instituto Nacional de Câncer, sua incidência tem aumentado nos últimos quarenta anos.

No entanto, se diagnosticado nas suas fases mais iniciais, possui chances de cura de mais de 90% por meio do tratamento cirúrgico. Com este objetivo, múltiplos esforços têm sido realizados na tentativa de desenvolver métodos reprodutíveis de rastreio e detecção do melanoma cutâneo.

Dermatoscopia

É um método não invasivo que auxilia na diferenciação entre lesões (as “pintas”) benignas e malignas. É realizada com um aparelho de magnificação que permite visualizar estruturas não vistas a olho nu, aumentando a acurácia diagnóstica. Em outras palavras, melhora a capacidade do médico em detectar o melanoma mesmo quando ainda não possui características suspeitas ao exame clínico (quando a lesão ainda é inicial). Mais recentemente, o mapeamento corporal total consagrou-se como ferramenta diagnóstica fundamental para os dermatologistas especialistas em câncer de pele.

Em que consiste e como é feito o Mapeamento Corporal?

É indicado para pacientes com alto risco de desenvolver melanoma, com o objetivo de realizar o diagnóstico precoce e, ao mesmo tempo, evitar cirurgias desnecessárias de lesões benignas. O exame fundamenta-se por fotografias de alta resolução de todo o corpo através de um aparelho específico (por exemplo, Fotofinder®) associado à dermatoscopia digital das pintas (nevos) com aumento de 20 até 120 vezes. Após isso as pintas são sempre analisadas pelo dermatologista e classificadas em baixo, moderado e alto risco. As de alto risco são removidas e enviadas para análise (biópsia) e as demais serão acompanhadas ao longo do tempo. Com isso, é possível observar se houve o surgimento de alguma pinta nova (suspeita) através das fotografias corporais ou se alguma pinta teve alguma modificação ou aumento de tamanho que justifique a sua retirada.

Quais as vantagens deste método?

Em pacientes com múltiplas pintas, o exame permite notar o aparecimento de uma lesão nova quando ela ainda está pequena e em locais do corpo que o paciente não conseguiria observar sozinho. Além disso, é possível fazer o diagnóstico de melanoma no seu estágio mais inicial somente pela mudança de característica da pinta, ou seja, mesmo quando ela ainda se parece com uma pinta inocente.

Quem deve realizar o mapeamento?

Este exame é indicado para todos os pacientes que possuem alto risco de desenvolver o melanoma:

1. Indivíduos que já tiveram melanoma;

2. Indivíduos com histórico familiar de melanoma;

3. Indivíduos com múltiplas pintas (nevos melanocíticos);

4. Indivíduos com antecedente de retirada de nevos atípicos (pintas irregulares, assimétricas);

5. Indivíduos de pele e olhos claros ou com antecedente de queimaduras solares na infância e adolescência.

Ver perfil

Matéria Por

Adriana Cristina Caldas

Médica

CRM/SP 85.201 RQE 37915 | São José do Rio Preto

Deixar Comentário